Variedades

comercomosolhos

Esta expressão significa olhar cobiçosamente os alimentos. É ter o olho-pidão, faminto, insaciável. Fitar com insistência.

O povo concede aos olhos faculdades mágicas e também a transmissão da força magnética. Cobras e jacarés e todos os sáurios, chocam os ovos com o olhar. Esse comportamento de determinados animais contribuiu para a origem do “quebranto” e do “mau-olhado”. A inveja é o olhar malfazejo, in-video. É um olhar de seca-pimenteira, de azar, de mofina.

Certos olhares absorvem a substância vital dos alimentos, deixando-os inúteis à nutrição. Soberanos negros da África Ocidental não consentiam testemunhas às suas refeições. Comiam ocultos e sozinhos. Os sertanejos acreditam que o olhar “fincado no comer, tira a sustança”.

Câmara Cascudo conta que uma empregada de sua casa, em junho de 1954, enxotou o seu “basset” que mirava o jantar, aguardando a ração: – “Saia daí Gibí, você está tirando as forças do comer!”. A partir de então, sua curiosidade levou-o a estudar o assunto em “Símbolo Respeitoso de Não-olhar” (Superstições e costumes, Rio de Janeiro, 1958)

Nos pejis dos Candomblés, Umbandas e Xangôs, os orixás utilizam as oferendas pelo olhar.

Havia em Roma uma modalidade do Silicernium, festim fúnebre, oferecido aos deuses Manes, durante o qual a família, clientes e amigos, não tocavam nos alimentos, limitando-se a olhá-los, em silêncio e fixamente. “Quod eam silenter cernant, neque degustant”. Participavam do ágape com a intenção visual; ou seja, “comiam com os olhos…”.

Fonte: Cascudo, Câmara. Locuções Tradicionais no Brasil. São Paulo, Global, 2004. p. 99.

******

“Se alguém passar por você e não olhar pra sua cara, não se preocupe, simplesmente foi por que essa pessoa não aguentou o grande brilho do seu olhar.” (Allef Weyber)

“O olhar de quem odeia é mais penetrante do que o olhar de quem ama.” (Leonardo Da Vinci)

“As mais lindas palavras de amor são ditas no silêncio de um olhar.” (Leonardo Da Vinci)

“Quem não compreende um olhar, tampouco compreenderá uma longa explicação.” (Mário Quintana)

Existem diversas formas de “olhar”, por isso precisamos cuidar para que nosso olhar possa abençoar vidas e não amaldiçoá-las.

O próprio Deus Criador dos céus e da terra disse: “Olhai para mim e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro.” (Bíblia Sagrada ARC, Is. 45:22) O olhar de Deus é tão penetrante que tem o poder de salvar, libertar, purificar, curar e transformar  em bênção qualquer tipo de caos que possa haver tanto em nosso interior, quanto no ambiente terrestre.

Por maior que pareça nossa dificuldade, o olhar divino pode restaurar nossa vida, nossa fé, nossas emoções e também e principalmente nossa auto-estima, para que vivamos uma vida de felicidade.

 
Por Sonia Valerio da Costa
Em: 23/10/2010
barrabênçao
Livros

w

O Pr. Gary Haynes idealizou e esboçou o Projeto de publicação deste livro “Manual Bíblico de Promessas”, e também escreveu as partes iniciais: “Prefácio”, “Vivendo as Promessas de Deus” e “A Riqueza das Promessas de Deus”. Também foi ele quem escolheu as promessas bíblicas que seriam comentadas.

Tive o privilégio de conhecer este livro maravilhoso na última Bienal do Livro, em São Paulo (2010). Já havia lido alguns livros do Pr. Gary, por isso não titubeei em adquirir um exemplar desse lançamento quando li que seu nome constava como um dos autores.

Gosto de ler o livro inteiro, antes de postar meu comentário a respeito; porém, este livro tem abençoado tanto minha vida, que, por ser um manual e uma coletanea de promessas bíblicas, achei por bem promovê-lo, antes mesmo de ler totalmente o livro. Mesmo porque eu estaria sendo egoista de saborear sozinha, tão grandes promessas, acompanhadas de comentários maravilhosos e abençoados, com orientações de como tomar posse de cada uma delas e, postergar seu compartilhamento com tantas outras pessoas, que também necessitam ser abençoadas.

A parte introdutória, “Prefácio”, “Vivendo as Promessas de Deus” e “A Riqueza das Promessas” contém informações riquíssimas sobre a vida do Pr. Gary Haynes, onde ele mesmo relata sua chamada missionária, suas experiências com Deus e também nos orienta, com fundamentações bíblicas e esclarecimentos plausíveis, a respeito da importância inimaginável de termos promessas divinas ao nosso alcance.

É a manifestação imensurável do amor de Deus para conosco. Deus é imutável e, portanto, quando Ele nos faz uma promessa, nada poderá invalidá-la. Para que possamos vivenciá-las, basta que creiamos nelas. Nos três textos da parte introdutória, o escritor, Pr. Gary Haynes, nos fornece detalhes irrefutáveis do carater divino, nos levando a aumentar de forma geométrica, nossa fé e confiança em Deus.

Após a introdução, já entramos na parte descritiva de centenas de promessas bíblicas. Para cada promessa bíblica apresentada, Eldo Ferreira doa Santos e Gilsa Pancote escreveram o comentário (Lição de fé para minha vida)  em seguida um texto, para que nossa fé seja colocada em ação (Declarando a promessa).

O primeiro nos oferece esclarecimentos e maior entendimento a respeito da promessa em pauta. O segundo, que vem logo abaixo, é como uma pequena oração que podemos ler mentalmente ou em voz alta e, pela fé, tomarmos posse da promessa em questão, para qualquer área de nossa vida, que estiver precisando de uma intervenção divina.

Recomendo a aquisição deste livro, pois não é um investimento financeiro, mas sim, um verdadeiro “seguro de vida”, pois com Cristo no nosso “barco”, tudo vai muito bem!!!!

Louvo a Deus pela vida desses três autores, Gary Haynes, Eldo Ferreira dos Santos e Gilsa Pancote, que, principalmente neste livro, foram usados por Deus, como verdadeiros canais de bênçãos para a tão carente sociedade atual.

Obs: Em 11/01/2011 fiz alterações neste Post, com respeito à autoria deste livro “Manual Bíblico de Promessas”, pois  não havia ficado esclarecido que o mesmo possui três autores distintos, conforme consta agora, depois desta atualização.

Por Sonia Valerio da Costa
Em 16/10/2010
Veja comentários de outros livros em: Índice de Outros Livros

barrabênçao

Variedades

* Embora não se saiba os números exatos, estima-se que o cérebro tem uns 100 milhões de neurônios e 40 quatrilhões de conexões.

* Esse número é maior durante a gestação, mas ao nascer perdemos metade dos neurônios; na adolescência a quantidade diminue mais ainda, pois ocorre uma “poda neural”, processo no qual são eliminados os excessos para obtenção de mais eficiência.

* Seu cérebro é grande: com seus muitos sulcos, camadas e circunvoluções, ocuparia uma área dez vezes maior, se fosse desdobrado sobre uma superfície plana.

* Ele é um sugador de energia; embora ocupe apenas 2% do corpo, consome 20% de energia corporal enquanto você está em repouso.

* O órgão é capaz de produzir novas conexões e fabricar células neurais em algumas áreas para atender a novas necessidades, e continua a fazê-lo até envelhecermos.

* O cérebro se adapta às experiêcnias internas e externas para assumir novas funções. Nos músicos, por exemplo, a parte cerebral que controla os dedos usados para tocar o instrumento, é até 130% maior do que a seção correspondente em outras pessoas.

* Ele se poda sozinho; como um jardineiro que apara roseiras, enfraquece as conexões menos usadas e fortalece as mais úteis, o que melhora a memória.

* O estresse pode fazer “murchar” o cérebro; já a meditação e o exercício o deixam mais forte e melhoram suas habilidades.

* A superfície cerebral é completamente insensível; uma pessoa poderia tocá-la (e os cirurgiões de fato o fazem) sem que o paciente sinta nada. Somente quando as áreas internas são estimuladas é possível ter sensações táteis ou emocionais.

Fonte: Um Dia Na Vida do Cérebro. In: Mente & Cérebro, junho/2010, p. 8-9.

Quando leio esse tipo de informação, realmente creio de uma forma muito mais expressiva que fomos criados por Deus, a Suprema Sabedoria. Uma simples explosão não poderia proporcionar algo tão perfeito e tão cheio de detalhes que se conectam de forma tão sábia!

“… quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo.” (Bíblia Sagrada, I Co. 2:16)