Capítulo 4, Meu livro

4 Adaptando-se à nova realidade

Oportunidade: Quando uma porta se fecha, outra se abre; mas, geralmente, olhamos com tanta saudade e tristeza para a que se fechou, que não vemos aquelaque se abre diante de nós. (Alexander Graham Bell) (18)

Como no princípio Deus sempre revivificava o homem que criara (79: Gn. 6:3), podemos considerar que esse homem era um depositário do conhecimento divino; ou seja, uma biblioteca ambulante, pois armazenava de forma consciente e equilibrada, todas as informações recebidas diretamente de Deus, o Seu Criador.

Por ter vivido 930 anos (contados provavelmente após sua saída do Jardim do Éden) (1: Gn. 5:3-4), Adão teve a oportunidade de viver e presenciar até a geração de Matusalém. Por todo tempo de sua vida, foi transmitindo oralmente todo o conhecimento que recebera.

Diga-me com quem andas…

A Bíblia nos leva a entender que, por Adão ter tido o privilégio de conviver com a presença real do Deus Criador enquanto vivia no Jardim do Éden, quando foi convidado a se retirar dali, procurava orientar e controlar o comportamento dos demais seres humanos, seus contemporâneos, agindo como um conselheiro para que subjugassem seu instinto e agissem com sabedoria, mantendo assim um equilíbrio sensato entre o bem e o mal (41), dos quais já eram detentores.

“A vida de qualquer um de nós é um fato ao mesmo tempo simples e complexo. Minha vida é uma vida simples, semelhante a tantas outras, que muitas vezes sofre interferências de fatores independentes da minha vontade. A beleza está em usar com equilíbrio cada uma dessas interferências, na medida certa, sem ir para os extremos.” (Dorina de Gouvêa Nowill)  (35)

Entendemos que enquanto Adão vivia, a humanidade mantinha os princípios ensinados por ele, mas após sua morte parece que foi se estabelecendo uma corrupção e libertinagem total do ser humano. Se estabelecermos uma linha do tempo das gerações entre Adão e Noé, concluímos que Adão não chegou a ver o nascimento de Noé.

Apenas 120 anos!

A cada geração que passava, os homens foram vivendo cada vez menos. Adão viveu 930 anos (1: Gn. 5:5); depois, as gerações que se seguiram foram: Sete, viveu 912 anos (1: Gn. 5:8); Enos viveu 905 anos (1: Gn. 5:11); Quenã, 910 anos (1: Gn. 5:14); Maalalel, 895 anos (1: Gn. 5:17); Jarede viveu 962 anos (1: Gn. 5:20); Enoque, 365 anos (1: Gn. 5:23), e não foi visto mais (voltaremos a falar sobre esse homem); Matusalém, 969 anos (este foi o homem que mais viveu) (1: Gn. 5:27); Lameque, 777 anos (1: Gn. 5:31). (67) Aos 182 anos, Lameque gerou a Noé (1: Gn. 5:28-29).

Quando Noé estava com 500 anos, Deus viu que toda imaginação dos pensamentos do coração do homem era só má, continuamente (1: Gn. 6:5); então Deus estabeleceu ao homem, o tempo de 120 anos de vida e assim aconteceu.

“Então disse o Senhor: o meu Espírito não agirá para sempre no homem, pois este é carnal; e os seus dias serão cento e vinte anos”.  (79: Gn. 6:3)

Apesar dessa determinação divina, mesmo após o dilúvio, muitos homens chegaram a viver muito mais do que 120 anos; percebemos, porém, que o tempo de vida foi sendo reduzido a cada geração.

Noé, filho de Lameque, viveu 950 anos (350, após o dilúvio) (1: Gn. 9:28-29); Sem, 600 anos (1: Gn. 11:10-11); Arfaxade, 438 anos (1: Gn. 11:12-13); Salá, 433 anos (1: Gn. 11:14-15); Eber, 464 anos (1: Gn. 11:16-17); Pelegue, 239 anos (1: Gn. 11:18-19); Reú, 239 anos (1: Gn. 11:20-21); Serugue, 230 anos (1: Gn. 11:22-23); Naor, 149 anos (1: Gn. 11:24-25); Tera, 205 anos (1: Gn. 11:32); Abraão, 175 anos (1: Gn. 25:7); Isaac, 180 anos (1: Gn. 35:28); Jacó, 147 anos (1: Gn. 47:28); José, 110 anos (1: Gn. 50:22); Moisés, 120 anos (1: Dt. 34:7). (1) (67)

Moisés, o homem escolhido por Deus para encaminhar o povo de Israel, do Egito para a terra de Canaã, viveu 120 anos como Deus determinara; porém, bem antes dos 100 anos, devido à sua idade avançada, sentiu canseira e enfado no seu corpo já abatido. Numa de suas Orações, ele se expressou desta maneira para com Deus:

“A duração da nossa vida é de setenta anos, e se alguns, pela sua robustez, chegam a oitenta anos, o melhor deles é canseira e enfado, pois passa rapidamente e nós voamos.” (1: Sl. 90:10).

A Epopéia de Gilgamesh (7)

Em quase todas as culturas antigas existe uma história mitológica a respeito do dilúvio que aconteceu na face da Terra.  A própria “Epopéia de Gilgamesh” encontrada em pedras fragmentadas provam, que realmente houve esse acontecimento num tempo remoto, porém ainda existem controvérsias a respeito do Dilúvio Universal, que tenha coberto toda a Terra, ou que tenha sido apenas local.  (60)

“Inflige ao pecador o seu pecado, Inflige ao transgressor a sua transgressão, Pune-o levemente; Quando ele escapar, não exageres no castigo ou ele sucumbirá; Antes um leão houvesse devastado a raça humana. Em vez do dilúvio, Antes um lobo houvesse devastado a raça humana. Em vez do dilúvio, Antes a fome houvesse assolado o mundo. Em vez do Dilúvio, Antes a peste houvesse assolado o mundo Em vez do dilúvio.”  (7)

Devido o homem ter contribuído para espalhar a maldade sobre a terra, o Senhor Deus se arrependeu de havê-lo criado; porém, Noé achou graça aos Seus olhos (1: Gn. 6:5-8).

Deus fala a Noé a respeito do seu intento de destruir tudo o que havia criado na face da Terra; mandaria um dilúvio que iria encobrir até as mais altas montanhas e assim desfaria toda a carne em que houvesse espírito de vida debaixo dos céus; então lhe mandou que construísse uma arca de madeira de Gofer, que contivesse vários compartimentos e a betumasse por dentro e por fora (1: Gn. 6:13-22).

Durante 100 anos, enquanto Noé apregoava o dilúvio, foi construindo a arca, conforme as orientações dadas por Deus. Lameque seu pai, faleceu cinco anos antes daquela catástrofe. (1: Gn. 5:30-32)

“Naqueles dias a terra fervilhava, os homens multiplicavam-se e o mundo bramia como um touro selvagem. Este tumulto despertou o grande deus. Enlil ouviu o alvoroço e disse aos deuses reunidos em conselho: ‘O alvoroço dos humanos é intolerável, e o sono já não é mais possível, por causa da balbúrdia’ Os deuses então concordaram em exterminar a raça humana.  Foi o que Enlil fez, mas Ea, por causa de sua promessa, me avisou num sonho. Ele denunciou a intenção dos deuses sussurrando para minha casa de colmo: ‘Casa de colmo, casa de colmo! Parede, oh, parede da casa de colmo,  escuta e reflete.’Abandona tuas posses e busca tua vida preservar; despreza os bens materiais e busca tua alma salvar.  Põe abaixo tua casa, eu te digo, e constrói um barco;  …leva então para o barco a semente de todas as criaturas vivas.”  (7)

Deus é fiel à Sua palavra!

Deus estabeleceu um pacto com Noé, dizendo-lhe que, para que ele e sua família se salvassem da destruição, entrassem na arca, somente ele (Noé), sua mulher, seus filhos e as mulheres de seus filhos; que também de todos os seres viventes que haviam sido criados, introduzisse na arca um casal de cada espécie animal, (dos animais considerados “limpos”, sete casais) para que se pudesse conservar em vida, a semente sobre a face de toda a terra (1: Gn. 7:2-3).

As águas encobriram a face da terra, vindas tanto das fontes do grande abismo, quanto das janelas dos céus que foram abertas (1: Gn. 7:11-12) durante 40 dias e 40 noites.

Acima dos céus ainda tem água?

Comparando o dilúvio com o Gênesis antes do homem ter sido criado, pensamos ser passível de investigação, se todas as águas que Deus colocou acima da expansão à qual chamou Céus, foram ou não, jorradas sobre a Terra. Com base nos textos bíblicos a seguir, podemos supor que até o dilúvio, ainda não havia chovido sobre a Terra.

“E disse Deus: Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e águas. E fez Deus a expansão, e fez separação entre as águas que estavam debaixo da expansão e as águas que estavam sobre a expansão. E assim foi. E chamou Deus à expansão Céus.  E foi a tarde e a manhã o dia segundo.” (1: Gn. 1:6-8)

“Na ‘Bíblia de Estudo: aplicação pessoal’, no rodapé da p. 14, dentro de uma explicação a respeito da avançada idade que as pessoas alcançavam, consta que uma das explicações defendidas por algumas pessoas, seria justamente o fato de ainda não haver chovido sobre a terra, e ‘as águas que estavam sobre a expansão’ (céus), (75: Gn.1:7-8) impediam a passagem dos raios cósmicos prejudiciais e protegiam as pessoas de fatores ambientais que aceleram o envelhecimento.” (75)

“Toda planta do campo ainda não estava na terra, e toda erva do campo ainda não brotava; porque ainda o Senhor Deus não tinha feito chover sobre a terra, e não havia homem para lavrar a terra. Um vapor, porém, subia da terra e regava toda a face da terra. E saía um rio do Éden para regar o jardim; e dali se dividia e se tornava em quatro braços.” (75: Gn. 2:5-6, 10)

Não creio que todas as águas que Deus colocou acima dos céus no princípio da Criação, fossem apenas vapores em forma de nuvens, como as que vemos atualmente; se assim fosse, como seria possível visualizar nitidamente, o Sol, a Lua e as Estrelas?!.

Um dilúvio universal tem o apoio da geologia, porém, para inundar todo o globo terrestre seria necessário 8 vezes a quantidade de água existente atualmente em nosso sistema. Como se explica de onde veio a água, e para onde foi após ter aparecido novamente a porção seca, no planeta Terra?  (60)  (1: Jó 36:27-29; 37: 6, 10-16)

“Eu olhei a face do mundo e o silêncio imperava; toda a humanidade havia virado argila.” (7)

A Bíblia Sagrada afirma que em conseqüência do dilúvio foi desfeita toda substância que havia sobre a face da terra, pois quando as águas pararam de jorrar, ainda se passaram 150 dias para que minguassem totalmente (1: Gn. 8:3).

Findo esse período, quando a terra já estava seca, Noé ofereceu um holocausto a Deus; ao sentir o cheiro suave daquele sacrifício que subia diante de Sua face, Deus disse em seu coração que não tornaria a ferir toda a humanidade como havia feito.  Mas, que enquanto a Terra durasse, não cessaria sementeira e sega, e frio e calor, e verão e inverno, e dia e noite e, como sinal dessa promessa, colocou sobre as nuvens um arco (o arco-íris). (1: Gn. 8:21-22; 9:12-17)

E o homem passou a comer carne.

Até o dilúvio, os seres humanos comiam apenas vegetais; após aquele episódio, Deus lhes orientou que passassem a comer carne animal também, porém sem seu sangue, pois do contrário Deus iria requerê-lo do tal homem que assim o fizesse (1: Gn. 1:29-30; 2:16;  9:3-5).

Através de investigações científicas já foi comprovada esta ocorrência na história da humanidade que, em apenas uma geração, o ser humano passou a introduzir carne animal em seu cardápio (36).

“Olhar para o que Deus fez no passado fortalece sua fé no futuro.” (40)

Conversando com Deus

Pedi força e vigor; Deus me mandou dificuldades para me fazer forte.

Pedi sabedoria; Deus me deu problemas para resolver.

Pedi prosperidade; Deus me deu energia e cérebro para trabalhar.

Pedi coragem; Deus me deu situações para superar.

Pedi amor; Deus me mandou pessoas com problemas para ajudar.

Pedi favores; Deus me deu oportunidades.

Não recebi nada do que queria. Recebi tudo o que precisava.

Minhas preces foram atendidas.  (Anônimo)

 

Continue lendo o capítulo 5: Transmitindo Conhecimento…

 

Sonia Valerio da Costa

18/11/2009

2 Comments

    1. Sonia Costa Author

      Bom Dia, Marcos!
      Sobre o quê, exatamente você gostaria de saber? Dizer apenas “questões bíblicas”, é muito vago. É possível que em outros textos que publiquei, tanto neste Blog quanto no http://www.artigosecronicas.com.br/ você possa encontrar algumas respostas para suas indagações. Não sou dona do saber, porém, expressarei o que tenho aprendido, mesclado com minhas experiências com Deus.
      Podemos conversar pelo Facebook; será mais apropriado.
      Abraços.
      Sonia Costa

      Reply

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *