Introdução, Meu livro

Quem lê, pensa…

Quem pensa, escreve… 

Quem escreve, fala…  

Quem fala, é ouvido…   

Quem ouve, se transforma…  

Quem se transforma, cria… 

Quem cria, gera mudanças…  

Leia!  Pense!  Escreva!  Fale!  Ouça!  Transforme-se!  Seja criativo!  

Contribua para a existência de um mundo melhor!

Este livro ‘nasceu’ no Curso “Leitura, Biblioteca e Educação”, acontecido na Capital de São Paulo durante o PROLER, na Biblioteca Infanto-Juvenil Monteiro Lobato, de 22 a 27/10/2001. No último dia, elaboramos uma Exposição das nossas “Memórias de Leitura”  que foi uma aplicação do curso que havíamos acabado de concluir. Durante aquele evento me senti impulsionada a ir embora, enquanto todos ainda estavam absortos naquela festividade de encerramento.

Fui ao Shopping Higienópolis, e depois de almoçar, desci para o piso Pacaembu.  Sentei-me em frente à joalheria Swarovski; comecei a contemplar a beleza dos cristais e o reflexo que a luz estava produzindo através deles; ao vislumbrar a beleza daquelas pedras preciosas, me reportei à história da criação. Enquanto estava pensando em como teria sido o momento em que Deus criou o Universo, Ele falou ao meu coração: escreve! Obedeci e ali começou este livro.

Este livro pode ser compreendido como um leque que se abre para outros livros, ou como a luz de uma estrela que oferece seus raios luminosos para outras estrelas; ou também, como uma bússola que, acima de qualquer tendenciosidade religiosa ou preconceituosa, possa apontar o caminho em direção ao pleno conhecimento (Is. 11:9b).

Propositadamente apresentaremos, vários pontos polêmicos, para que sejam passíveis de questionamentos e investigações, pois temos presenciado através da história, que as diferenças de pensamentos e de opiniões, sempre serviram para a busca da verdade em toda a ciência e sabedoria que Deus tem dado ao homem.  (Pv. 3:13Dn. 1:3-4, 17, 19-20 Os. 4:6)

Esta leitura levará o leitor a refletir, pensar e repensar seus conceitos e visualizar uma outra dimensão com respeito à história da Criação; provavelmente, os fundamentos de suas opiniões serão fortemente abalados; muitas inquietações surgirão em sua mente, as quais precisarão ser mais bem esclarecidas.

Ler é assumir compromisso diante da sociedade, pois quanto mais sabemos, mais temos o compromisso de fazer alguma coisa para melhorar, tanto nosso habitat, quanto nosso modus vivendi.

De certa forma concordo com a opinião expressada na crônica “Feliz o analfabeto que não lê este artigo” de Elio Gaspari (2), quando diz que o analfabeto é “feliz”, porém, é uma felicidade utópica e que não tem essência em si mesma. Ele acaba vivendo o que os outros querem que ele viva e assim é coagido a viver acéfalo; essa é a forma mais cômoda para se viver, pois ele não é obrigado e nem precisa raciocinar; ele elege outros para raciocinarem por ele.

Você, querido leitor, com certeza não é analfabeto, portanto pense bem antes de continuar lendo este livro. Meu desejo é que, ao ler este livro, você não consiga  mais  parar  e que, ao terminar de lê-lo, sua curiosidade esteja tão aguçada, a ponto de despertar o desejo de saciar sua sede de saber!

Você tem duas opções: “ler, ou não ler este livro!” Decida agora!

Se você decidiu por continuar lendo, o objetivo deste livro é apontar o melhor caminho para buscar o pleno conhecimento, compreendendo a predisposição divina em compartilhar Seu conhecimento, segundo a disposição volitiva do homem.

“E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim, e beba”.  (Jo. 7:37) (grifo nosso)
Se desejarmos nutrir um forte laço com o nosso Criador, devemos continuamente nos comunicar com Ele.  (20).
“Deus jamais envia a alma sedenta a um poço seco.”  (40)

Continua em: Capítulo 1 – E Tudo Começou

Sonia Valerio da Costa