Variedades

Porque Jogamos a Toalha.

(Imagens Google)

Essa expressão “jogar a toalha” tem origem no boxe; o gesto de jogar a toalha pela equipe de um pugilista, sinaliza sua desistência, para evitar que o adversário faça um estrago maior com o lutador já massacrado. Por simbolizar tão bem a desistência, jogar a toalha, se tornou uma expressão muito comum no dia-a-dia.

Todos nós temos uma resistência natural a tudo que nos força a abrir mão do nosso conforto físico e emocional. Somos tendentes a desistir de uma empreitada, principalmente quando começamos a enfrentar dificuldades, ou mesmo monotonia.

A questão está em nosso cérebro, que se acostuma a um padrão de comportamento e reluta em aceitar o novo. Nosso cérebro é composto de dois hemisférios, com funções e habilidades específicas, porém, se complementam, para encontrarem um equilibrio harmonioso.

O hemisfério esquerdo é essencialmente verbal, analítico, racional, lógico e também linear, onde os pensamentos seguem de forma sequencial. É responsável pelo bom senso e está sempre alerta para nos impedir de cometer desvarios.

Já o hemisfério direito é não-verbal, até mesmo silencioso. É inclinado a misturar os sentidos literal e metafórico, prefere as ambiguidades, a linguagem metafórica e atua por meio da imagem. Em vez de fazer uso da lógica e do pensamento sequencial, é intuitivo, carregado de pensamentos simultaneos. É a morada da criatividade, é o lado do poeta que descreve, de um jeito diferente a cada vez, o mesmo amanhecer de todos os dias.

Quando decidimos aprender algo novo, ou mesmo incorporar uma nova atividade em nosso cotidiano, devemos estar conscientes que durante um tempo, vamos enfrentar resistencia do próprio cérebro. Isto porque se faz necessário a produção de uma nova rede neuronal, para reformatar e ampliar a arquitetura cerebral já existente.

Nessa fase surgem os diálogos internos de desistência, onde os contratempos enfrentados, incitam o organismo a deixar a atividade para o dia seguinte; se não houver persistência nessa fase, a tendência cerebral é sempre postergar até que então, acabamos “jogando a toalha” e desistindo de vez.

A perseverança é a chave para superar essa resistência natural do cérebro; a autodisciplina ampliará os limites da capacidade cerebral, proporcionando um desfrute de múltiplos beneficios, e tornando a nova atividade um vicio prazeroso.

Antes de “jogar a toalha”, resista, seja persistente, até romper a plasticidade que envolve o cérebro, o que dificulta a formação de novas redes neuronais. Tendo vencido essa primeira etapa de resistência, a atividade que parecia incomodar e transtornar sua tão conhecida zona de conforto, e gerava um aparente desequilibrio, irá paulatinamente sendo transformada em prazer, alegria e felicidade.

Não desista diante das dificuldades e dos conflitos, não jogue a toalha, persevere e você será um vencedor! Nossa persistência nos levará a tornar em realidade o que sonhamos para nossa vida.

Persevere e seja feliz!

Sonia Valerio da Costa
Em 12/11/2010

2 Comments

  1. Oi Sonia
    Legal saber da verdadeira expressao sobre o “jogar a toalha”
    Mas eu conhecia outras quando era adolescente, quando saia do banho e largava a toalha em qq canto, dae minha dizia – Diego? Vai sempre “jogar a toalha” assim?
    Depois foi na epoca da faculdade, que eu escapulia das casas das exs namoradinhas pelas portas do fundo correndo ou pela janela, dai chegava la embaixo quando esquecia as roupas e gritava – pô, num vai ao menos “jogar a toalha?”
    ahahaha

    Reply
    1. Sonia Costa Author

      Olá Diego.
      Agradeço seu comentário.
      Vejo que vc interpretava a expressão, até então, apenas no sentido literal.. porém, essa é uma expressão que tem uma conotação simbólica de desistir de tudo… é o famoso “entregar os pontos”.
      Abraços.
      Sonia Costa

      Reply

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *