Livros

Os tipos de gigantes que são apresentados neste livro nos afrontam diariamente e lutam para interceptar nossa caminhada, tanto física, quanto emocional, profissional e social, mas principalmente na área espiritual.

O autor fala com muita propriedade e se utiliza de uma linguagem clara, ilustrada com exemplos bastante familiares do nosso cotidiano.

Os títulos dos capítulos já falam por si só; conheça um pouco do conteúdo riquíssimo desta obra exemplar. Vejamos:

  1. Combatendo seus medos –  O medo ignora o plano de Deus, distorce Seus propósitos, desestimula o povo de Deus, se recusa a crer nas promessas divinas e desobedece os princípios de Deus. Continue lendo e saiba como combater o gigante do medo que, segundo o autor, é o mais mortal dos inimigos.
  2. Destruindo o desânimo – O desânimo nos faz perder a esperança, mas para o destruirmos, precisamos reconhecê-lo e reagir a ele clamando a Deus em primeiro lugar e não como último recurso.
  3. Libertando-se da solidão – Podemos nos sentir solitários, mesmo não estando sós. O autor dá exemplos bíblicos de solidão na Bíblia (Rei Davi, Profeta Jeremias, Apóstolo Paulo), e como eles reagiram a essa situação. O autor também nos apresenta atitudes bastante práticas para vencermos a solidão.
  4. Vencendo a preocupação – A preocupação é incongruente, irracional, ineficaz, ilógica e irreligiosa. Podemos vencer esse gigante, definindo prioridades, estabelecendo um programa estratégico. O autor cita uma frase de Corrie Ten Boom, autora do livro “O Refugio Secreto”: “A preocupação é um homem velho, com a cabeça encurvada, carregando um saco de penas, pensando que é pedra pesada”.
  5. Protegendo-se da culpa – A culpa nos causa agonia e nos acusa, mas para nos livrarmos desse gigante, o melhor a fazer, é confessarmos diante de Deus, assumirmos total responsabilidade pelo pecado, que apenas Deus, através de Jesus pode nos redimir, nos purificar, restaurar nossa alegria e renovar nossa comunhão com Ele.
  6. Domando a tentação – A experiência da tentação é comum a todos, pois esse é o trabalho do diabo, nos fazer pensar que já estamos derrotados mesmo antes de cedermos a ela.  À luz da Palavra de Deus, o autor nos garante que podemos escapar da tentação, quando nutrimos uma comunhão íntima e diária com Deus.
  7. Atacando a ira – Conheça a ira bíblica que é não-pecaminosa e renuncie à ira que é pecaminosa. Não alimente a ira, não ensaie a ira, não converse sobre sua ira, não extravase a ira, reverta sua ira e coloque um ponto final, invertendo-a e entregando-a a Deus.
  8. Opondo-se ao ressentimento – O ressentimento é a ira multiplicada pelo tempo. Na Bíblia vemos o ressentimento expressado também, através das palavras ‘rancor'(I Co. 13.5) e ‘raiz de amargura'(Hb. 12.15).  O ressentimento tem um preço; disse alguém que guardar ressentimento é tomar veneno e esperar que o outro morra. Nós podemos e precisamos resistir ao ressentimento. Leia este capítulo e veja os cincos passos práticos que o autor nos apresenta.
  9. Desarmando suas dúvidas – Todos nós já passamos por situações de dúvida e a diferença é como lidamos com elas. “A dúvida não é o oposto da fé, mas sim a oportunidade da fé. O verdadeiro inimigo da fé é a incredulidade, que se recusa a reconhecer. Podemos dizer que a dúvida faz perguntas;  a incredulidade se recusa a ouvir respostas.” Veja como o autor fala com propriedade, como é a melhor maneira de lidar com a dúvida.
  10. Evitando a procrastinação – A procrastinação rouba o nosso tempo e nossas oportunidades de servir e de ter êxito e também rouba nossa oportunidade de salvação. Saiba como vencer esse gigante que ronda todo ser humano.
  11. Encarando o fracasso – Combatemos esse gigante, quando reconhecemos nosso fracasso, e aplicamos as lições aprendidas para obtermos êxito em nosso novo empreendimento. Devemos aceitar o fracasso como um fato em nossa vida e não como um modo de vida. É importante que sempre nos levantemos dos fracassos e recomecemos como um ser humano mais forte e mais sábio.
  12. Passando por cima da inveja – A inveja é muito próxima do ciúme; enquanto a inveja é o desejo de ter o que os outros possuem, o ciúme é o medo de perder o que se tem. Ambos sentimentos são destrutivos. Destrói os outros, e a nós mesmos também. O autor nos orienta que devemos encará-los como pecado e nos orienta como derrotarmos mais esses gigantes que querem nos roubar, nos aprisionar e nos destruir.

Esses sentimentos são verdadeiros gigantes que precisam ser domados por nós. O autor nos leva a entender à luz da Palavra de Deus,  como isso pode ser feito com a ajuda do Espírito Santo no nosso dia-a-dia, e assim obtermos sucesso e vitória.

Recomendo a leitura deste livro, pois com certeza, ele vai enriquecer sua vida espiritual e te fortalecer nessa constante guerra que vivenciamos combatendo esses sentimentos que, apesar de parecerem gigantes, com a ajuda do Espírito Santo, eles podem ser  domados sim, e então “poderemos vencer as batalhas e conquistar a vitória”.

Veja comentários de outros livros em: Índice de Outros Livros

Por Sonia Valerio da Costa

Em 28/04/2017

Livros


CAPITULO

No final de 2014 tive o prazer de conhecer virtualmente a escritora Clarice Pessato, autora deste livro que passarei a comentar neste artigo. Quando a Clarice buscou um primeiro contato comigo para me apresentar este seu livro, não poderia imaginar o quanto eu seria abençoada com essa leitura. Deus tem os seus caminhos e, na maioria das vezes não entendemos o Seu agir, mas quando permitimos que Ele exerça Sua Soberania em nossas vidas, começamos a entender que Seus pensamentos são mais altos que os nosso pensamentos e então passamos a vivenciar o melhor de Deus para nós.

É difícil descrever o quanto este livro impactou minha vida, e é por isso que escrevi esta resenha a fim de recomendá-lo aos leitores dos meus Blogs, pois com certeza, vocês terão uma leitura leve, agradável, envolvente, imperdível e que também lhes trará informações importantes com respeito a superar situações de extrema dificuldade, em todas as áreas da vida. Este livro é uma autobiografia, onde o leitor irá encontrar uma verdadeira historia de superação e persistencia da Clarice, que descreve todos os percalços pelos quais teve que passar, desde o momento em que foi envolvida num acidente automobilístico que a deixou tetraplégica ainda na sua adolescência, e também os comentários e comportamentos de diversas pessoas que acompanharam todos os infortúnios decorrentes das circunstancias que a envolveram.

Através da leitura deste livro, acabamos aprendendo também, orientações importantes relacionadas a segurança, primeiros socorros, e até mesmo de ortopedia e outros comprometimentos de saúde que um acidentado precisa enfrentar. Vivendo em Arvorezinha, uma cidadezinha do interior do Rio Grande do Sul, numa época em que pouco se falava em apoio a pessoas de mobilidade reduzida e inclusão, a Clarice teve apoio permanente de sua mãe, que contribuiu incondicionalmente para que ela pudesse se adaptar a essa nova vida, e seguir em frente, realizando sonhos, que talvez não tivesse alcançado, se sua saúde fosse perfeita e pudesse caminhar com seus próprios pés.

Pela medicina ela não estaria mais viva, ou ficaria com problemas respiratorios, dificuldades para falar e até mesmo para sentar, porém por um milagre que Deus, e com a ajuda de sua mãe, ela pode fazer o Magistério, e depois cursar a Faculdade de Letras e de Teologia; foi também Professora da EBD para crianças e, atualmente, com seu testemunho, tem tido uma atuação bastante  expressiva como missionária através da internet.

Como a propria Clarice diz: “Este livro não é para ser só uma leitura, mas é para abençoar a vida de quem o estiver lendo (p. 121)”. Eu, com certeza, fui abençoada tanto quando o li pela primeira vez, como agora que estou escrevendo sobre ele, pois a Clarice nos conta em detalhes, como que ela conseguiu se libertar de uma vida de religiosidade para, através da leitura da Biblia, receber a Jesus como Senhor da sua vida. Sobre a leitura bíblica ela descreve com as seguintes palavras: “O que torna possível o entendimento da palavra de Deus é o Espírito Santo e o que faz da Bíblia um livro único é o Espírito Santo. O Espírito Santo nos dá a revelação, torna letra em palavra viva. Esta é a razão porque todos os livros que eu lia se mostravam como apenas letra e não fizeram nada por mim, mas a Palavra da Biblia transformou a minha vida. A religião somente informa, não muda vidas. É importante sabermos que somente Jesus transforma as vidas e nós O encontramos na Bíblia Sagrada. (p. 118)”. “O pecado te deforma, a religião te informa, mas só Cristo te transforma. (p. 196)”.

Em fim, até mesmo o título do livro foi inspirado na sua experiencia com Deus, onde ela afirma que “nesta vida vivemos apenas o penúltimo capítulo, pois o último capítulo é eterno e já está escrito por Deus (p. 204)”.

Segue alguns links de contato com a escritora e também da editora que publicou este livro, e mais algumas resenhas que servirão para enriquecer e acrescentar mais informações que dizem respeito a escritora Clarice Pessato:

Lançamento do livro “O Penúltimo Capítulo”

Manhã de autógrafos do lançamento do livro “O Penúltimo Capítulo”

Página no Facebook do livro “O Penúltimo Capítulo”

Blog “O Penúltimo Capítulo”

A escritora Clarice Pessato também disponibiliza seu email para um contato mais direto com ela: claricepessato@hotmail.com.br

Recomendo a leitura deste livro pois o considero classificado com 5 estrelas. Que Deus continue abençoando tanto a Clarice Pessato, quanto todos os que lerem essa historia tão emocionante.

pencap

Por Sonia Valerio da Costa

Em 26/01/2015

Veja comentários de outros livros em: Índice de Outros Livros

barrabênçao

Filmes

 da_vinci

Leonardo Da Vinci sempre gostou de enigmas e por isso os colocava em lugares sutis e estratégicos em suas pinturas.  Uma vez detectados, esses códigos sempre atrairam curiosos, pesquisadores, arqueólogos e também especuladores que estão sempre à espreita para se aproveitarem da credulidade de muitos, e com isso, conseguirem algum proveito.

Sabemos que os símbolos falam mais do que mil palavras, pois proporcionam múltiplas interpretações; com o passar do tempo eles são distorcidos, reinterpretados e dessa forma acabam proporcionando polêmicas de pensamentos e de filosofias. No decorrer da história, sabemos que, quando essas diferentes interpretações começaram a interferir no campo teológico, muito sangue foi derramado, até mesmo em nome de Deus.

No filme “O Código Da Vinci” (baseado no livro de mesmo nome), Robert Langdon (Tom Hanks) é um famoso simbologista, que foi convocado a comparecer no Museu do Louvre após o assassinato de um curador, Jacques Sauniere (Jean-Pierre Marielle).  Essa morte deixou uma série de pistas e símbolos estranhos, os quais Langdon precisa decifrar. Em seu trabalho ele conta com a ajuda de Sophie Neveu (Audrey Tautou), criptógrafa da polícia. Porém o que Langdon não esperava era que suas investigações o levassem a uma série de mensagens ocultas nas obras de Leonardo Da Vinci, que indicavam a existência de uma sociedade secreta que tem por missão guardar um segredo que já dura mais de 2 mil anos.

Quando Langdon e Sophie descobrem que o segredo preservado por essa sociedade secreta envolve o Santo Graal, sentem que passam a ser perseguidos de forma mais intensificada, que quase acabam mortos antes de descobrirem o tal segredo.

O filme  oferece esclarecimentos a respeito dessa Sociedade secreta, o “Priorado de Sião” e seu braço militar, os “Cavaleiros Templários”. Apesar do Priorado ter sido dizimado, não se extinguiu totalmente. Há indícios de que existem secretamente até hoje, e afirmam que “somos quem protegemos, aquilo que defendemos”; para essa proteção agem sempre em quatro: um Grão-Mestre e três guardiões.

Langdon, num dos momentos de maior suspense, afirma: “é por isso que estudamos história; para parar de matarmos uns aos outros”. Esta é uma frase bastante sábia  que, se a humanidade estudasse mais profundamente as causas e razões de determinados acontecimentos históricos, evitaria confrontos e mortes em guerras sem objetivos definidos.

Na minha opinião, como cristã-evangélica, nada mudará minha forma de pensar de que Jesus Cristo veio à terra para redimir a humanidade de seu pecado original (desobediência), e que era 100% homem e ao mesmo tempo 100% Deus. Ele abdicou de sua deidade para poder sentir as nossas dores e aflições, e assim entregar-se à morte de cruz para nossa salvação.

Vale a pena assistir o filme, porém com muita cautela, sabendo que não existem provas plausíveis e/ou fiéis a respeito do periodo de “silêncio” na vida de Jesus Cristo, dos 12 aos 30 anos. Como já disse anteriormente, o que existe são apenas especulações. Não podemos que ficções distorcidas comprometam a divindade de Jesus Cristo e seu poderio sobre as nossas vidas.

Ainda não se descobriu também, nenhum registro histórico que outro homem que também tivesse sido chamado Jesus; nem que tivesse vivido de forma semelhante a Jesus, chamado O Cristo; nem que tivesse morrido morte de cruz e, muito menos, ressuscitado ao terceiro dia.

Jesus, O Cristo, foi o único que cumpriu à risca, todas as profecias profetizadas anteriormente, com respeito à decisão de Deus de enviar seu próprio Filho ao mundo, para redimir o homem que Ele mesmo criou.

“Certamente o Senhor, o Soberano, não faz coisa alguma sem revelar o seu plano aos seus servos, os profetas.” (Bíblia NVI, Amós 3:7).

Postado por
Sonia Valerio da Costa
Em 22/12/2010