Livros

Excelente leitura para quem está interessado em estreitar os laços de comunhão com Deus o Pai, através de Jesus Cristo Seu Filho. Deus nos chama para adorá-lo e o autor deste livro nos mostra passo a passo como deve ser feita essa entrega incondicional para que possamos alcançar a plenitude da presença de Deus.

Deus nos fez reis e sacerdotes e como era de responsabilidade do sacerdote levar a arca da aliança, que é a presença do próprio Deus, nós, com o nosso corpo, que é o templo do Espírito Santo (I Co. 6.19), precisamos viver de forma a levar a presença de Deus em nós. Devemos ministrar a Deus através de Jesus, com o Espírito Santo, pois Deus habita e se manifesta dentro e através de nós, quando o adoramos com integridade de coração.

Quando Deus ordenou a Moisés que construísse um tabernáculo, Ele o fez antecipando de forma física, material e espiritual, a adoração que deveríamos prestar a Ele, na nova dispensação. “Tudo no Tabernáculo representa Jesus, de alguma forma. Os portões retratam Jesus porque Ele é o Caminho. O Altar do Sacrifício simboliza Jesus, porque Ele é o Cordeiro de Deus, morto pelos pecados do mundo. A Pia é Jesus, porque Ele é a Palavra e a água da vida. A Mesa dos Pães da Proposição é Jesus, porque Ele é o Pão da Vida. E o Candelabro de Ouro é Jesus, porque Ele é a Luz do Mundo.” (p. 203-204)

O acesso à presença de Deus no tabernáculo, foi desenhado em forma de cruz e hoje é através da morte e ressurreição de Jesus que temos acesso à presença de Deus. O Tabernáculo era um modelo ou sombra do tipo de adoração que sempre teve e terá lugar no céu.

“A adoração é uma resposta ao que Jesus fez por nós na cruz. Assim como a cruz cura nossa disposição interna e externa para o pecado, ela também motiva nossa disposição interna e externa para adoração. A expressão exterior é a submissão ao senhorio de Cristo, que é a obediência. A  expressão interna de adoração é o amor.” (p. 85)

O louvor é uma forma de adoração e nós louvamos a Deus porque só Ele é digno (Ap. 4.11). O louvor nos traz benefícios e nos posiciona para entrarmos nas promessas de Deus. Quando O louvamos, Deus se manifesta. O louvor é uma arma de guerra espiritual (II Cr. 20. 17-22), é evangelístico e também uma ferramenta de ensino.

“A adoração nos leva a nutrir uma intimidade com Deus e é através dessa intimidade com Ele, que Deus estará reproduzindo a Si mesmo em nós. Ele não está apenas reproduzindo o Seu caráter, que é o fruto do Espírito, mas Ele está reproduzindo o Seu poder, que inclui os dons do Espírito. É por este poder movendo-se através de nós que Ele cura, salva, liberta, profetiza e faz todo tipo de milagres. Boa adoração nos capacita a fazer a obra de Cristo.” (p. 220)

Jesus ensinou-nos a adorar através de Sua entrada triunfal em Jerusalem. Quando Ele foi virar mesas no templo, Jesus estava ensinando adoração. Quando Ele lavou os pés dos discípulos, Jesus estava ensinando adoração. No Getsêmani, Jesus também nos ensinou adoração.” (p. 226)

“Acredito que Tabernáculo de Moisés é uma sombra de adoração celestial. Mas eu acredito que é algo muito mais também. É uma revelação do plano de Deus para o futuro da humanidade.  E se o Tabernáculo de Moisés for mais do que uma revelação de como adorar? E se for também uma linha do tempo – um mapa profético – do retorno da glória de Deus para a Terra? E se cada parte do tabernáculo de adoração também representa um aspecto do ministério da Igreja, que deve ser reintegrado, para inaugurar o retorno final de Jesus Cristo – a glória de Deus na Terra?” (p. 283)

Com essas proposições, o autor nos leva a uma jornada através das quatro Reformas pelas quais a Igreja cristã passou e também por oito eras desde o seu ‘nascimento’ com o Ministério de Jesus, morte e ressurreição, até a ‘travessia’, que seria a entrada no Santo dos Santos, quando a Igreja estará para sempre na presença de nosso Pai. (p. 292-294)

Recomendo a leitura deste livro, pois é um material riquíssimo para quem deseja adorar ao Rei dos reis em espírito e em verdade, pois é assim que o Pai quer que nós O adoremos. (Jo. 4.24)

Resenha feita por

Sonia Valerio da Costa

Em 05/06/2017

Livros

acabana

 

A cada dia que passa compreendo melhor a questão de que um livro, seja ele qual for, precisa chegar na hora certa em nossas mãos; assim o leremos  com maior prazer e com o coração aberto, para assimilarmos tudo o que ele tiver de bom para nos oferecer.

“A Cabana” chegou em minhas mãos numa hora muito especial, principalmente porque havia acabado de ler “10 Mentiras que as Igrejas Contam às Mulheres”. De certa forma eu já me encontrava com minha mente mais maleável para receber novas e inéditas informações, com respeito ao relacionamento que Deus espera de nós, seus filhos.

Quero destacar parte de dois comentários impressos no livro “A Cabana”.

“Este livro tem o potencial de fazer por nossa geração o que “O Peregrino”, de John Bunyan, fez pela dele.” (Eugene Peterson, professor emérito de Teologia Espiritual, Regent College, Vancouver, Canadá)

“A Cabana consegue falar de alguns dos maiores mistérios sobre Deus: como o amor incondicional do Pai, caminha entre a proteção aos filhos e o respeito a seu livre-arbitrio.” (William Douglas, juiz federal, professor universitário e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil)

O escritor William P. Young escreve de forma espetacular a experiência vivenciada por Mackenzie Allen Phillips.  Mack, como ele é mais conhecido, vivencia uma tragédia, que marca para sempre, tanto a sua, quanto a vida de sua família; durante uma viagem programada para ser apenas diversão e alegria, Missy, sua filha mais nova, desaparece misteriosamente.

Após longas investigações, descobrem que ela teria sido assassinada, devido a indícios encontrados numa velha cabana abandonada. A partir de então, ele se entrega a uma Grande Tristeza que acaba sufocando-o a cada dia, pois esse sentimento que passou a sufocá-lo, era a expressão da ausência e da raiva incontida, por não terem conseguido localizar o assassino, que ficou impune por seu ato hediondo.

Após quatro anos, Mack recebe um bilhete, assinado por Deus, convidando-o para um encontro na cabana abandonada. Apesar das dúvidas quanto às circunstâncias que envolviam aquele convite, Mack decide voltar ao cenário de seu pesadelo.

Ao chegar lá, se dá conta que Deus, Jesus e o Espírito Santo estão à sua espera para um “acerto de contas”. Essa experiência vivenciada por Mack e registrada literariamente de uma forma espetacular, pelo escritor, fazem do livro “A Cabana”, uma historia inédita e imperdível para todos nós, criaturas de Deus e que, Ele mesmo, nos elevou à categoria de filhos… “seus filhos”.

Depois de ler esse livro, com certeza, sua vida não será mais a mesma. Todos nós temos inquietações a respeito da nossa vida e, principalmente da morte; a curiosidade de conhecermos melhor a personalidade divina, também é algo que nos impulsiona a buscarmos respostas.

Creio que cada leitor se identificará com determinadas circunstâncias vivenciadas por Mack, durante seu diálogo com cada uma das três pessoas da Trindade. O importante é lembrarmos que para cada tipo de pergunta, existe uma resposta correspondente. Para cada tipo de problema, uma solução diferente. Finalmente, para cada circunstância, uma razão e uma explicação específica, conforme o tempo e a hora.

Um dos grandes mistérios que o leitor irá desvendar é a forma como esse encontro aconteceu, se foi real, se foi sonho, se foi arrebatamento ou revelação. A questão é que o relato como tudo aconteceu, tem respaldo bíblico.

Eu, particularmente, não definiria esse livro como ficção, mas como um livro teofilosófico, pois quem já possuir conhecimentos bíblicos, poderá, com certeza, absorver mais facilmente seu conteúdo! Apesar desse apontamento, todos os leitores entenderão o suficiente do caráter divino, para amá-lo e ser também amado por Ele.

Se você se sentiu tocado pelo assombro deste livro e quer ajudar a torná-lo disponível a outros num nível mais amplo, nós o convidamos a participar do…

Projeto Missy

ou em inglês

The Shack

Recomendo também a leitura do livro “Deus e a Cabana“, de Roger E. Olson.

Comentado por
Sonia Valerio da Costa
Em 03/01/2011

Veja comentários de outros livros em: Índice de Outros Livros