Variedades

(Imagens Google – Canal Kids/História)

Essa expressão popular, incluindo gestos, manobras e movimentos simulados de fingimento, visa produzir efeito momentâneo para camuflar a verdade diante de determinada entidade. Burla intencional.

A tradição afirma ter sido frase do Príncipe-Regente D. João, na noite de 22 de janeiro de 1808 na Bahia de Todos os Santos. A cidade de Salvador iluminara-se em homenagem ao soberano e este, indicando a nau do almirante Jervis, comboiando sua frota, rumo ao Rio de Janeiro, teria dito: – “Está bom para o inglês ver!” D. João queria demonstrar ao almirante Jervis (inglês) que o Brasil o aguardava festivamente.

Posteriormente, Eloy Pontes, (em “A vida contraditória de Machado de Assis”, Rio de Janeiro, 1939), registra outra origem dessa frase: – “Os navios ingleses, em cruzeiros permanentes nas costas brasileiras, combatiam o tráfico. Mas os contrabandos eram pertinazes. Todos os dias transpunha a barra um navio nacional, à caça dos navios negreiros. Os contrabandistas, porém, tinham meios de escapar às vigilâncias. O povo irônico, cada vez que um navio passa o Pão de Açúcar, diz: – “É para inglês ver”. A frase ficou. Ainda hoje perdura”.

Fonte: CASCUDO, Luís da Câmara. Locuções Tradicionais no Brasil. São Paulo, Global, 2004. p. 201

Outra versão baseada na camuflagem dos navios negreiros que chegavam escondidos da vigilância inglesa, também pode ser conhecida no Canal Kids.

Postado por Sonia Valerio da Costa
Em 09/10/2010