Livros

O Perdão

Tive o privilegio de participar do lançamento deste livro em 24/10/2010, na Igreja Batista Filadelfia – Água Rasa, quando também conheci pessoalmente o seu autor, o Pr. Pedro Mendes.

O próprio título já me chamou a atenção e despertou a curiosidade para ler e também postar um comentário aqui em meu Blog. O assunto deste livro já tem sido matéria de inúmeras publicações, porém, como humanos que somos e conscientes que, sempre estamos necessitando do perdão divino para nossos pecados, êrros e falhas cotidianas; diante disso temos um interesse  inato de saber, sempre um pouco mais, a respeito desse atributo divino, que é o perdão.

Fiquei deveras encantada com a forma como escritor discorreu sobre o assunto “perdão”. Utilizando textos bíblicos bastante conhecidos, ele apresenta uma  perspectiva diferente, de como Deus trabalha em nossas vidas para nos perdoar, e também despertar em nós, o desejo e o prazer em perdoar aos nossos semelhantes pelas ofensas recebidas.

Um tema que tem sido bastante explorado, porém, ainda considerado de difícil elucidação, é a imperdoabilidade da blasfêmia contra o Espírito Santo. O Pr. Pedro Mendes comenta sobre o assunto de uma forma bastante cautelosa, mas que nos trás um pouco mais de luz sobre o assunto.

Para aqueles que ainda tem dificuldades de assimilar o perdão divino, e também perdoar a si mesmo e aos outros, este é um livro trará um pouco mais de luz sobre o assunto. Vale a pena conferir.

(Noite de autógrafos do Livro “O Perdão” com o Pr. Pedro Mendes)

Por Sonia Valerio da Costa
Em 04/11/2010
Veja comentários de outros livros em: Índice de Outros Livros
barrabênçao
Filmes

leaonarnia

Durante uma brincadeira de esconde-esconde, Lúcia entra dentro de um guarda-roupa; tem o cuidado de deixar apenas uma fresta aberta, para entrar uma certa claridade, de forma que ela não viesse a se sufocar no meios dos casacos que alí estavam. Enquanto aguarda a contagem para que fosse procurada, ela se deixa levar pelo imaginário e viaja em suas fantasias para uma terra chamada Nárnia, onde está nevando.

Lá ela encontra um fauno que não tem coragem de denunciá-la à Feiticeira Branca. A fantasia é um aliado importante na iniciação da leitura, pois contribui para o desenvolvimento da criatividade na criança. Quando a criança tem oportunidade de ler literatura de ficção ou mesmo de contos de fadas, ela terá, em sua fase adulta, maior possibilidade em aceitar o Evangelho de Jesus Cristo, mediante o exercício da fé.

Após esse primeiro contato com Nárnia, Lucia sai de seu esconderijo, pois seus irmãos não conseguem encontrá-la. Ela relata o que vivenciou, de uma forma tão realística que consegue convencer seus irmãos a entrarem em Nárnia, juntamente com ela, através do guarda-roupa.

A Rainha Branca está dominando Nárnia, porém seu verdadeiro Rei é Aslam. Em Nárnia as crianças tomam conhecimento da existência de uma lenda de que iriam chegar 2 filhos de Adão e 2 filhas de Eva, quando então a Feiticeira Branca seria vencida e Aslam retornaria ao seu trono.

Edmundo acaba sendo aprisionado pela Rainha Branca, que através de chatagem emocional, deixa-o sem comida e o obriga a sair em procura de seus irmãos. Devido a essa pressão ele acaba se tornando um traidor, se alia com a Rainha e a ajuda a encontrar seus irmãos.

Eles, Pedro, Suzana e Lucia, fogem, guiados por um casal de castores e conseguem atravessar o rio; a partir de então chega a primavera e já não precisam mais de casacos para se protegerem da neve. A primavera é um indicio de que Aslam está chegando. Lucia, Suzana e Pedro teem a oportunidade de conhecer Aslam, um leão muito forte e corajoso tanto quanto bom e justo.

Enquanto participam para Aslam que o irmão menor, Edmundo está em poder da Rainha Branca, esta chega com seus soldados e cães, tentando intimidar Aslam, dizendo que está escrito que todo traidor pertence a ela.

Aslam pede para conversar a sós com a Rainha Branca e fazem um acordo: se entrega para que seu pelo seja cortado e se oferece para derramar seu sangue, no lugar de Edmundo, sobre a mesa de pedra.

A Rainha Branca, ainda respirando ameaças, diz que não tem interesse em prisioneiros, pois eles são passiveis de arrependimento, portanto manda que seus soldados petrifiquem todos os narnianos.

Lucia e Suzana, sem entenderem bem qual foi o acordo feito entre Aslam e a Feiticeira Branca, seguem discretamente os passos de Aslam que se dirige à mesa de pedra, onde acontece um verdadeiro festival das trevas comemorando vingança sobre a morte de Aslam.

Escondidadas, elas presenciam tudo, sem poder intervir ou mesmo impedir aquela situação tão deprimente e constrangedora. Depois que o ritual termina e todos se vão, elas se aproximam da mesa de pedra onde constatam que Aslam está morto e passam um tempo chorando sobre o corpo dele.

Mas quando o dia amanhece, elas são surpreendidada com a ressuscitação de Aslam. Este esclarece que a Feiticeira Branca não conhecia que estava escrito que, se alguém derramasse sangue inocente, sobre aquela mesa de pedra, no lugar de um traidor; como sinal, a mesa partiria ao meio e o morto ressuscitaria.

Assim a maldição da Feiticeira Branca estaria quebrada para sempre e todos os narnianos que haviam sido petrificados, reviveriam e teriam uma nova oportunidade de arrependimento.

A Rainha Branca também se surpreende com a ressuscitação de Aslam, mas nada pode fazer, quando este salta sobre ela e seus súditos; nesse momento todos os inimigos de Aslam se evaporam e desaparecem literalmente diante das 4 crianças que ficam extasiadas com aquela visão do Bem vencendo o Mal.

Os narnianos aclamam as crianças (Pedro, Edmundo, Suzana e Lucia) como reis e rainhas de Nárnia. Aslam vai embora, dizendo que cumpriu sua missão. O fauno que foi o primeiro narniano a recepcionar Lucia, afirma que Aslam voltará.

Em toda essa historia podemos entender que C. S. Lewis criou uma fantasia que permite entender claramente o proósito de redenção realizado por Jesus Cristo na cruz do Calvário, para perdoar o pecado original da humanidade, para que esta pudesse voltar a ter comunhão com o Deus Pai, Criador dos Céus e da Terra.

Recomendo a que todos assistam esse Filme, principalmente os pré-adolescentes e adolescentes, pois terão subsidios para melhor entender o plano elaborado por Deus, enviando seu próprio Filho para nos trazer salvação.

Por Sonia Valerio da Costa
Em 07/09/2010

Você poderá gostar também de:

Lições das Crônicas de Nárnia – Clauco B. Magalhães Filho, Prefaciado por Dr. Russell Shedd

Entenda melhor a respeito dos Narnianos

le monde de Narnia : Chapitre I - le lion, la sorcière blanche et l'armoire magique The Chronicles of Narnia: The Lion, the Witch and the Wardrobe 2005 Réal. : Andrew Adamson Collection Christophel

Filmes

 

Paixão3

“Dificilmente um filme é capaz de provocar emoções tão fortes como este…”

“Dirigida por Mel Gibson vencedor do Oscar em 1995, como melhor diretor em “Coração Valente”, esta é uma história de profunda coragem e scrifício que nos conta as últimas 12 horas da vida de Jesus Cristo.” (comentário de Mariane Morisawa em IstoÉ Gente)

“Ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moido pelas nossas iniquidades: o castigo que nos trás a paz, estava sobre Ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.” (Is. 53:5)

Este filme relata a vida de Jesus Cristo a partir do momento em que Ele sobe ao Monte do Getsêmane para orar. Sabendo que havia chegado o momento de sua cruxificação, Jesus pede aos seus discípulos que vigiem e orem, mas, sonolentos como estavam, não entenderam o que estava acontecendo. Não tinham conhecimento do propósito e nem do significado das palavras do Mestre, quando ordenou-lhes que vigiassem e orassem e por isso acabaram adormecendo.

Jesus estava em profunda agonia, pois foi naquele momento que Ele se esvaziou de si mesmo, para se entregar expontaneamente ao propósito de Deus Pai, deixando-se cruxificar, para que todo seu sangue fosse derramado e pudesse trazer perdão para a raça humana. Foi naquele momento que  Jesus venceu a todas as propostas mentirosas de Satanás e esmagou a “cabeça da serpente”; este seu ato estava simbolizando Sua vitória sobre o pecado original da desobediência. Se entregou à vontade do Pai (Deus), dizendo: “Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice; todavia não seja feita a minha, mas a tua vontade.” (Mt.26:39b)

Entendo que alí, teve início o processo de sua cruxificação. A partir de então, são apresentadas cenas onde Jesus vai curando e também salvando.

O reimplante da orelha de Malco o deixa atônito e se separa do grupo de soldados; isto significa que, além da cura, ele também recebeu a salvação de sua alma.

O filme é verdadeiramente tocante, pois quando vemos as imagens do que provavelmente teria sido o processo de cruxificação de Jesus, entendemos claramente que Jesus não foi apenas mais um profeta qualquer; Ele é o Cristo, Filho de Deus. Impossível não imaginar que as ruas de Jerusalém foram totalmente salpicadas pelo sangue inocente derramado gota a gota para que pudéssemos ser perdoados do pecado original e termos novamente acesso ao Pai.

Enquanto Jesus carrega sua cruz no caminho do Gólgota, o filme vai retratando os possíveis pensamentos que passavam na mente de Jesus Cristo. Quando olhava os pés dos seus algozes, se lembrava de quando lavara os pés de seus discípulos. Quando pediu água e lhe deram vinagre, se lembrou que havia se apresentado como “águas vivas” para a mulher samaritana, junto ao poço de Jacó.

Em sua vida aqui na terra Jesus cumpriu todos os propósitos de Deus e tornou realidade, cada palavra profetizada a respeito do Messias, que os judeus esperavam. Impossível assistir esse filme e continuar sendo a mesma pessoa!

Não há maior amor do que esse de dar sua própria pelos seus amigos e também pelos seus inimigos. Isto foi o que Jesus Cristo fez durante todo o seu ministério, até render seu espírito e entregá-lo ao Pai.

Palavras de Jesus durante sua cruxificação:

“Mulher, eis aí o teu filho. Eis aí tua mãe.” (para Maria, sua mãe) – (Jo 19:27-27)

“Tenho sede.” (ao invés de água, deram-lhe vinagre, para que a escritura se cumprisse) – (Jo. 19: 28)

“Pai, perdoa-lhes porque não sabem o que fazem.” (quando repartiam e lançavam sortes sobre suas vestes) – (Lc.23:34)

“Hoje mesmo estarás comigo no paraíso.” (para um dos ladrões que estava também sendo cruxificado) – (Lc. 23:43)

“Deus meu, Deus meu, porque me desamparaste?” (quando houve trevas sobre a terra) – (Mc. 15:33-34)

“Está consumado.” (após ter recebido vinagre pela segunda vez) – (Jo.19:30)

“Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito.” (na hora nona, quando o véu do templo se rasgou de alto abaixo) – (Lc. 23:46)

Este filme é uma excelente produção cinematográfica! Recomendo!

Por Sonia Valerio da Costa
Em 02/08/2010
paixnao5