Livros

Excelente leitura para quem está interessado em estreitar os laços de comunhão com Deus o Pai, através de Jesus Cristo Seu Filho. Deus nos chama para adorá-lo e o autor deste livro nos mostra passo a passo como deve ser feita essa entrega incondicional para que possamos alcançar a plenitude da presença de Deus.

Deus nos fez reis e sacerdotes e como era de responsabilidade do sacerdote levar a arca da aliança, que é a presença do próprio Deus, nós, com o nosso corpo, que é o templo do Espírito Santo (I Co. 6.19), precisamos viver de forma a levar a presença de Deus em nós. Devemos ministrar a Deus através de Jesus, com o Espírito Santo, pois Deus habita e se manifesta dentro e através de nós, quando o adoramos com integridade de coração.

Quando Deus ordenou a Moisés que construísse um tabernáculo, Ele o fez antecipando de forma física, material e espiritual, a adoração que deveríamos prestar a Ele, na nova dispensação. “Tudo no Tabernáculo representa Jesus, de alguma forma. Os portões retratam Jesus porque Ele é o Caminho. O Altar do Sacrifício simboliza Jesus, porque Ele é o Cordeiro de Deus, morto pelos pecados do mundo. A Pia é Jesus, porque Ele é a Palavra e a água da vida. A Mesa dos Pães da Proposição é Jesus, porque Ele é o Pão da Vida. E o Candelabro de Ouro é Jesus, porque Ele é a Luz do Mundo.” (p. 203-204)

O acesso à presença de Deus no tabernáculo, foi desenhado em forma de cruz e hoje é através da morte e ressurreição de Jesus que temos acesso à presença de Deus. O Tabernáculo era um modelo ou sombra do tipo de adoração que sempre teve e terá lugar no céu.

“A adoração é uma resposta ao que Jesus fez por nós na cruz. Assim como a cruz cura nossa disposição interna e externa para o pecado, ela também motiva nossa disposição interna e externa para adoração. A expressão exterior é a submissão ao senhorio de Cristo, que é a obediência. A  expressão interna de adoração é o amor.” (p. 85)

O louvor é uma forma de adoração e nós louvamos a Deus porque só Ele é digno (Ap. 4.11). O louvor nos traz benefícios e nos posiciona para entrarmos nas promessas de Deus. Quando O louvamos, Deus se manifesta. O louvor é uma arma de guerra espiritual (II Cr. 20. 17-22), é evangelístico e também uma ferramenta de ensino.

“A adoração nos leva a nutrir uma intimidade com Deus e é através dessa intimidade com Ele, que Deus estará reproduzindo a Si mesmo em nós. Ele não está apenas reproduzindo o Seu caráter, que é o fruto do Espírito, mas Ele está reproduzindo o Seu poder, que inclui os dons do Espírito. É por este poder movendo-se através de nós que Ele cura, salva, liberta, profetiza e faz todo tipo de milagres. Boa adoração nos capacita a fazer a obra de Cristo.” (p. 220)

Jesus ensinou-nos a adorar através de Sua entrada triunfal em Jerusalem. Quando Ele foi virar mesas no templo, Jesus estava ensinando adoração. Quando Ele lavou os pés dos discípulos, Jesus estava ensinando adoração. No Getsêmani, Jesus também nos ensinou adoração.” (p. 226)

“Acredito que Tabernáculo de Moisés é uma sombra de adoração celestial. Mas eu acredito que é algo muito mais também. É uma revelação do plano de Deus para o futuro da humanidade.  E se o Tabernáculo de Moisés for mais do que uma revelação de como adorar? E se for também uma linha do tempo – um mapa profético – do retorno da glória de Deus para a Terra? E se cada parte do tabernáculo de adoração também representa um aspecto do ministério da Igreja, que deve ser reintegrado, para inaugurar o retorno final de Jesus Cristo – a glória de Deus na Terra?” (p. 283)

Com essas proposições, o autor nos leva a uma jornada através das quatro Reformas pelas quais a Igreja cristã passou e também por oito eras desde o seu ‘nascimento’ com o Ministério de Jesus, morte e ressurreição, até a ‘travessia’, que seria a entrada no Santo dos Santos, quando a Igreja estará para sempre na presença de nosso Pai. (p. 292-294)

Recomendo a leitura deste livro, pois é um material riquíssimo para quem deseja adorar ao Rei dos reis em espírito e em verdade, pois é assim que o Pai quer que nós O adoremos. (Jo. 4.24)

Resenha feita por

Sonia Valerio da Costa

Em 05/06/2017

Livros

10Mentiras

Fiquei deveras impactada com as revelações que o Dr. J. Lee Grady apresenta neste livro e, o importante, é que todas elas foram muito bem embasadas e fundamentadas em textos bíblicos, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento.

As “mentiras” expostas no livro, são analisadas exaustivamente, porém sem cansar o leitor. Bem o contrário, a leitura prende nossa atenção do começo ao fim, pois nos monitora na interpretação bíblica dos textos que confirmam a aprovação de Deus, de que as mulheres também sejam Ministras do evangelho, Pastoras e Reverendas, da mesma forma que os homens.

A forma simples e direta que o autor escreveu, permite que qualquer leitor compreenda perfeitamente a interpretação bíblica com relação à atuação de mulheres em posições de liderança no ministério pastoral.

A “mentira” que mais me impactou, foi a 4ª: “Uma mulher deve ver seu marido como o sacerdote do lar. Foi lendo esse capítulo, que recebi uma libertação interior; sempre me contive em realizar o ministério que Deus colocou em minhas mãos, esperando encontrar um homem que viesse a ser esse “sacerdote do meu lar”.  Dessa forma sempre vivi em conflito por ainda não ter encontrado essa pessoa. Os anos se passaram e sempre me senti cerceada e discriminada sutilmente por essa tradição social.

Hoje entendo que Deus me iluminou para evangelizar e ministrar no mundo virtual, pois é a única forma que encontramos liberdade para falar do grande amor de Deus manifestado de forma totalmente igual, tanto a homens quanto a mulheres.

“Jesus Cristo veio também para quebrar a maldição de homens dominando mulheres, começada no Jardim do Éden” (p. 107). O escritor não está de forma alguma, fazendo apologia ao feminismo ou sequer incentivando que as mulheres não sejam sujeitas aos seus maridos; pelo contrário, deixa claro que, homens e mulheres são iguais espiritualmente falando; ambos são sacerdotes diante de Deus. A mulher não precisa depender do marido para receber uma revelação da parte de Deus, ou ministrar uma mensagem profética para a Igreja; o homem, segundo a Palavra de Deus, é o cabeça da esposa em todas as áreas do casamento, porém, espiritualmente, são igualmente sacerdotes diante de Deus, desde que ambos estejam em comunhão com o Pai.

“Quando uma mulher se casa, sua habilidade de ouvir a Deus não é desligada. Ela não renuncia à sua autoridade como crente em Cristo, quando faz seus votos solenes de casamento.” (p.111)

“Ambos (marido e mulher) devem ser ‘co-laboradores’ no reino, pois ambos são sacerdotes diante de Deus.” (p.112)

Temos vários exemplos de mulheres na Bíblia, que agiram corajosamente para livrar seu povo das mãos dos inimigos, e tiveram a aprovação de Deus. Confira na Bíblia Sagrada, a atuação de Débora (Jz. 4: 1-16), de Jael (Jz. 4:17-23), de Ester (Et. 4:1-17 e 5: 1-3), de Noemi quando dá instruções a Rute (Rt. 3:1-18), da mulher samaritana, quando Jesus a envia ao seu próprio povo (Jo 4:16, 28 e 39-42) e também das cooperadoras do Apóstolo Paulo (Rm. 16:1-15).

Outra informação que creio ser importante registrar aqui é que “o pesquisador George Barna apresenta em seu relatório que um número crescente de mulheres está se afastando da igreja, porque a igreja as tem marginalizado. Algumas dessas mulheres estão se voltando para o Movimento New Age. Algumas estão estudando a Wicca, religião neopagã, que oferece às mulheres um sentido de autoridade por meio da comunhão mística com uma deusa da natureza; as profetizas da Wicca acreditam que o Deus da Bíblia  é uma irada deidade patriarcal que odeia mulheres” (p.258-259).

Homens sozinhos não vão alcançar esses povos feridos, composto, em sua maioria, por mulheres vivendo situações abusivas da parte de seus maridos e líderes religiosos. As mulheres sempre são mais suscetíveis e encontram maior graça para perdoar aqueles que as têm violentado, batido nelas, ou roubado sua inocência sexual.

“Muitas igrejas conservadoras se opôem com veemência a que mulheres ocupem posições de liderança, porque pensam que Deus abençoa a igreja somente sob a liderança de homens. Deus não quer sua Igreja controlada por homens ou mulheres; Ele a quer controlada pelo Espírito Santo.” (p.257)

“Gálatas 3:28 diz que em Cristo ‘Não há judeu nem grego, escravo ou livre, homem ou mulher; porque todos vós sois um em Cristo Jesus” (p. 257)

Quero aqui, deixar registrada minha palavra de gratidão à Editora Abba  Press, na pessoa de seu administrador, o Pr. Oswaldo Paião, por ter aprovado essa publicação na língua portuguesa. A Igreja brasileira será grandemente abençoada com a leitura de mais essa obra inspirada e revelada pelo Espírito Santo de Deus.

Sonia Valerio da Costa
19/12/2010
Veja comentários de outros livros em: Índice de Outros Livros
_______
Hoje, passado quase 5 anos, decidi reler este comentário e comecei a analisar de outro prisma, pois hoje sou casada e respeito meu marido como o cabeça do nosso lar, porém, como eu escrevi quando publiquei este artigo, nós dois oramos sempre juntos e, juntos compartilhamos os mistérios que Deus tem nos revelado, entendemos pelo Espírito Santo que Deus tem um projeto para nossas vidas e temos orado e buscado conhecimento e capacitação dentro da Palavra, para estarmos prontos no momento em que Deus quiser nos usar para a expansão do Seu Reino.