Filmes

avatar

Propositadamente resolvi assistir o filme somente agora, pois desejava emitir minha opinião pessoal sem interferências externas, nem da mídia nem dos “críticos” que tem o prazer de dissecar a produção, para encontrarem apenas falhas.

Assim é “Avatar”. Um dos filmes mais comentados e que gerou bastante polêmica, principalmente em “guetos sociais”, que por terem medo do desconhecido emitem opiniões precipitadas e deturpadas da realidade, e procuram embasar suas teorias na significação da origem dos termos utilizados nas produções cinematográficas. Com isso, acabam perdendo as mensagens importantes que o filme pode nos trazer para nossa reflexão filosófica e que podem proporcionar excelente bagagem para nosso conhecimento.

Achei a produção cinematográfica excelente e aprendi grandes lições com as mensagens transmitidas através do enredo proposto. Entendo que o termo “avatar” empregado como título do filme, não foi escolhido com base na origem hinduísta da palavra, mas pela forma como essa palavra foi popularizada devido aos jogos de computador, onde avatar é um personagem criado, para representar o jogador, que coloca nele, as características que deseja; o jogador dá ao seu avatar, capacidades e virtudes que ele mesmo não possui na vida real.

No filme cria-se em laboratório, diversos avatares, mas apenas Jake, um soldado que se tornou paraplégico na guerra, consegue por meios de uma nova tecnologia, tranferir sua mente para um corpo são (um avatar). Mentalmente, através do seu avatar ele consegue o “milagre” de viver de forma “normal”, num outro planeta – Pandora – onde vivem os Na’vi; é através da mente que ele consegue contato com esses habitantes. Em paralelo, sua aventura mental é registrada e monitorada em laboratório, por cientistas e governantes, com interesses bastante diversificados; as aventuras vivenciadas pelo avatar de Jake no planeta de Pandora, causam perplexidade para alguns dos cientistas que o observam, e desprezo e indignação em outros.

Não pretendo fazer sinopse do filme, mas sim despertar nos leitores, através deste comentário pessoal, o desejo de assistir esta espetacular produção cinematográfica.



O que aprendi com Avatar:

– Quando agimos em silêncio, o resultado de nossas ações passa a ser mais rápido, mais coerente, mais forte, mais acertado e o melhor, sempre pegamos o inimigo de surpresa. Entendo que é por isso que Deus age em silêncio; suas obras são perfeitas e falam por si mesmas. (Sl.10:1)

– Não se pode encher um corpo que já está cheio. Se nosso corpo estiver verdadeiramente cheio do Espírito Santo (Ef. 5:18b), não haverá espaço para as obras da carne, mas somente para produzirmos frutos do Espírito: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança). (Gal. 5:16-26)

– Para entendermos os significados de uma cultura social, precisamos imergir nela de corpo e alma. Jesus Cristo não veio como um avatar para conhecer apenas mentalmente as nossas dores e sofrimentos; Ele não possuiu um corpo humano, mas se fez 100% humano, para poder ter o direito de morrer em nosso lugar, tomando sobre si os nossos pecados. Jesus ressuscitou corporeamente, não num outro corpo, mas num corpo transformado e glorificado. Ele nos deixou o exemplo real de que, se simbolicamente “morrermos” com Ele, também teremos nosso corpo transformado e glorificado, o que nos dará o direito de morarmos eternamente com Ele. (Rom. 6:8)

– O homem sem Deus, se faz um semideus e acaba se autoglorificando de forma inconsequente. Nessa situação não consegue medir as consequências de seus próprios atos que são apenas carnais, ou seja: prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizade, porfia, emulação, ira, peleja, dissensão, heresia, inveja, homicídio, bebedice, glutonaria, (Gal. 5:19-21), ganância, prepotência, orgulho, etc.

– Cada pessoa precisa nascer duas vezes. Uma pela vontade da carne e a outra pelo espírito. É isto que significa o livre arbítrio que Deus nos dá, de nascermos novamente pelo Espírito de Deus ou pelo espírito do Anticristo. Nosso segundo nascimento que é feito por nossa livre e espontânea vontade, é que vai determinar o lugar onde passaremos a eternidade. (Jo. 1:12-13 e 3:3-7)

Meus elogios para James Cameron por essa espetacular e impressionante produção, tanto em conteúdo, quanto em efeitos especiais.

Você também vai gostar  do comentário do Pr. Ricardo Padilha.

O vídeo a seguir foi contribuição do amigo Jaime, que fez um comentário valioso para esta minha opinião sobre “Avatar”.

“Examinai tudo. Retende o bem”. (Bíblia Sagrada – ARC, I Tes. 5.21) – “Mas ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom” (Mesmo texto bíblico, na Versão NVI)

Este comentário está baseado em:
O próprio Filme Avatar.
Internet.
Ekström, Leif. Avatar. In: Jornal Luz nas Trevas, jun de 2010, p. 4.
Bíblia Sagrada nas versões ARC e NVI.
Sonia Valerio da Costa
04/07/2010
 avatar2
 
Meu livro

Dubai

(Eu uso Google Imagens)

Bem vindos a bordo!

Este novo Blog é a concretização de um sonho!

É uma realização profissional!

Como bibliotecária e por gostar de ler e manusear livros novos, sempre sonhei em publicar um livro.

Este sonho me parecia cada vez mais distante.  Refletindo a respeito de minha atuação como profissional da informação, cheguei à compreensão que “livro” é apenas um suporte onde inserimos nossa criação textual.

Então pensei…. por que não mudar esse suporte, adaptá-lo às novas tecnologias e ter a oportunidade de interagir diretamente com o meu leitor?

Após essa reflexão, decidi “publicar” na Web o que pensava em publicar num suporte de papel.

Neste Blog dedicarei uma “categoria” intitulada “Meu Livro”, onde o leitor poderá acompanhar capítulo por capítulo, pois são totalmente interdependentes. Esta forma de escrever também facilitará a leitura alternada dos assuntos. Pensando nisso que resolvi inicialmente nomear este meu Blog como “Livros desfolhados”; hoje, já com um novo Template, passarei a utilizar como título do Blog, o próprio domínio, que é “Folhas Viajantes”. Esta foi a forma literal que publiquei meu livro virtualmente, folha por folha.

Mesmo apresentando um título para este livro virtual “Desatando os Nós do Conhecimento”, com certeza você deve estar curioso por saber, qual é o assunto principal! Penso que isto é o que menos importa. “E essa foto de Dubai?”, voce deve estar se perguntando. Essa foto tem uma grande significação para mim; por ser um lugar encantador, é um lugar que sonho conhecer. A meu ver, esse sonho é impossível! Mas, será mesmo?

Para mim, já considerava a publicação do livro que escrevi, como um sonho inatingível; no entanto, estou me sentindo emocionada, por escrever estas palavras introdutórias, e sei que serão lidas por um número indefinido de internautas que passarem por aqui.

Meu desejo é que lendo estes textos, você possa ser incentivado a conhecer de forma mais ampla o mundo do conhecimento! Sonhe também.. e busque realizar os seus sonhos!

Boa Leitura!

Sonia Valerio da Costa
14/11/2009

Continua em Direitos Autorais

Introdução, Meu livro

Quem lê, pensa…

Quem pensa, escreve… 

Quem escreve, fala…  

Quem fala, é ouvido…   

Quem ouve, se transforma…  

Quem se transforma, cria… 

Quem cria, gera mudanças…  

Leia!  Pense!  Escreva!  Fale!  Ouça!  Transforme-se!  Seja criativo!  

Contribua para a existência de um mundo melhor!

Este livro ‘nasceu’ no Curso “Leitura, Biblioteca e Educação”, acontecido na Capital de São Paulo durante o PROLER, na Biblioteca Infanto-Juvenil Monteiro Lobato, de 22 a 27/10/2001. No último dia, elaboramos uma Exposição das nossas “Memórias de Leitura”  que foi uma aplicação do curso que havíamos acabado de concluir. Durante aquele evento me senti impulsionada a ir embora, enquanto todos ainda estavam absortos naquela festividade de encerramento.

Fui ao Shopping Higienópolis, e depois de almoçar, desci para o piso Pacaembu.  Sentei-me em frente à joalheria Swarovski; comecei a contemplar a beleza dos cristais e o reflexo que a luz estava produzindo através deles; ao vislumbrar a beleza daquelas pedras preciosas, me reportei à história da criação. Enquanto estava pensando em como teria sido o momento em que Deus criou o Universo, Ele falou ao meu coração: escreve! Obedeci e ali começou este livro.

Este livro pode ser compreendido como um leque que se abre para outros livros, ou como a luz de uma estrela que oferece seus raios luminosos para outras estrelas; ou também, como uma bússola que, acima de qualquer tendenciosidade religiosa ou preconceituosa, possa apontar o caminho em direção ao pleno conhecimento (Is. 11:9b).

Propositadamente apresentaremos, vários pontos polêmicos, para que sejam passíveis de questionamentos e investigações, pois temos presenciado através da história, que as diferenças de pensamentos e de opiniões, sempre serviram para a busca da verdade em toda a ciência e sabedoria que Deus tem dado ao homem.  (Pv. 3:13Dn. 1:3-4, 17, 19-20 Os. 4:6)

Esta leitura levará o leitor a refletir, pensar e repensar seus conceitos e visualizar uma outra dimensão com respeito à história da Criação; provavelmente, os fundamentos de suas opiniões serão fortemente abalados; muitas inquietações surgirão em sua mente, as quais precisarão ser mais bem esclarecidas.

Ler é assumir compromisso diante da sociedade, pois quanto mais sabemos, mais temos o compromisso de fazer alguma coisa para melhorar, tanto nosso habitat, quanto nosso modus vivendi.

De certa forma concordo com a opinião expressada na crônica “Feliz o analfabeto que não lê este artigo” de Elio Gaspari (2), quando diz que o analfabeto é “feliz”, porém, é uma felicidade utópica e que não tem essência em si mesma. Ele acaba vivendo o que os outros querem que ele viva e assim é coagido a viver acéfalo; essa é a forma mais cômoda para se viver, pois ele não é obrigado e nem precisa raciocinar; ele elege outros para raciocinarem por ele.

Você, querido leitor, com certeza não é analfabeto, portanto pense bem antes de continuar lendo este livro. Meu desejo é que, ao ler este livro, você não consiga  mais  parar  e que, ao terminar de lê-lo, sua curiosidade esteja tão aguçada, a ponto de despertar o desejo de saciar sua sede de saber!

Você tem duas opções: “ler, ou não ler este livro!” Decida agora!

Se você decidiu por continuar lendo, o objetivo deste livro é apontar o melhor caminho para buscar o pleno conhecimento, compreendendo a predisposição divina em compartilhar Seu conhecimento, segundo a disposição volitiva do homem.

“E no último dia, o grande dia da festa, Jesus pôs-se em pé, e clamou, dizendo: Se alguém tem sede, venha a mim, e beba”.  (Jo. 7:37) (grifo nosso)
Se desejarmos nutrir um forte laço com o nosso Criador, devemos continuamente nos comunicar com Ele.  (20).
“Deus jamais envia a alma sedenta a um poço seco.”  (40)

Continua em: Capítulo 1 – E Tudo Começou

Sonia Valerio da Costa